sabato 31 luglio 2010

antes do vento...


meu corredor na casa de Roma
e como vejo que todos o quasi
vao de ferias eu tambem
vou deixar somente esta foto
e vou ver aonde vou:))))

venerdì 30 luglio 2010

CCCCCCCCabelosdeventooooooooooo!!!



assim ficaram meus cabelos hoje
com este vento furioso!!!!!!"""

PPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPensar


desmaiar
no vazio
cair
sem se
ferir

milhar
de luzes
a brilhar

pensar

mercoledì 28 luglio 2010

VIVVVVVVVVVVVVVVVERRRRRRRRRRR


o tempo parou
cansou de tanto
correr

vivi
muito
corri
pouco
igual
cansei

mas nao de viver

martedì 27 luglio 2010

FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFantasma


dentro
fora
no meio
em cima
em baixo
ou de algum lado
qual?
direita
ou esquerda

sendo fantasma
estou por toda parte

lunedì 26 luglio 2010

de onde vem?


esta luz
de onde vem?

deste mundo
solido
impenetravel
cheio de mensagens
indecifraveis
que nos rodea?

tudo nos fala
ouvimos tudo
porém
nada entendemos

oscilamos

luz
de onde vem?

domenica 25 luglio 2010

sabato 24 luglio 2010

mar


o mar

a imensidao daquele
magico olho
nos faz pensar
pensar e pensar

nao é preciso
nadar
basta olhar
e voar
e voar e voar...

ele
vai nos levar
aonde
desejar

abraçados
pela infinita
gama dos seus azuis

oH! mar

giovedì 22 luglio 2010

Ilusao - 2008 - Iosif Landau





acima do incêndio um homem flutua num barco a remo,
acima do incêndio uma mulher é devorada por uma jibóia,
folhas amarelas acompanham a visão ilusória,
troncos e galhos
espelham-se uns nos outros, negro-queimado,




e agora ele é velho, suas mãos acariciam chamas,
nuvens cobrem edifícios abandonados, onde não havia nada,
a serpente é de muita idade, suas mandíbulas desengonçadas
não conseguem mastigar, é desdentada

embaixo, esquecidos deuses perambulam suas oferendas,
não há fumaça, nem filme, nem evidência de que
ali, num tempo passado, existia um continente verde,
o homem se esforça e mergulha os remos,
perdeu a memória.

mercoledì 21 luglio 2010

lunedì 19 luglio 2010

com o mesmo olhar...



com o mesmo olhar
de antes
assim te vì
assim me viu
somente
envelhecem
aqueles
que ja nao olham

ver algo mais
que la cruel
realidade
que nos traz a idade

isto se chama amor
isto se chama amizade

domenica 18 luglio 2010

algo escrito qdo comencei o blog- imagem Dominique Landau


pensieri micidiali
in questi paraggi
allora scorgo la bella rugiada
e
vado via
prendo la via della gioia
di ritorno a casa - allegria -
e comincio il giro nel mio mondo
- un tanto arrugginito-
ma che mito!
Dalla ruggine nascono
belle cose tutte nuove
la conosci
creatività
lo stesso giro
ogni giorno
attorno
al mio piccolo esteso mondo
guardo in giro
non c’è scampo!
ma c'é campo
per Jules Verne :)

sabato 17 luglio 2010

so outro quadro...


o calor derreteu minhas ideias!

venerdì 16 luglio 2010

palavras de meu irmao que esta no www.mundodedek.blogspot.com


"Conta-me uma história de muitas estrelas e de profundo carinho, de amor e paixão, de perfume e flores, de borboletas multicolores, mas se não sabe de nenhuma, se não se lembra da infância, se não sente saudade do primeiro beijo, pronuncie apenas meu nome como naquele dia em que eu nunca imaginara que você o conhecia."

Iosif Landau (1924 - 2009)


tinha pedido licença a Kovaks
para colocar aqui estas palavras de meu irmao
ele me respondeu assim:

"Myra, esta área do blog em geral é dedicada a citações e trechos de trabalhos de grandes autores da literatura que eu vou sempre renovando, uma espécie de surpresa para os leitores ou um mini-post. Quanto mais divulgação melhor!"

giovedì 15 luglio 2010

hoje um pouco de italiano...


il mio cervello
strappa
come
uno straccio
i ricordi
che non
vedo più

meglio così

mercoledì 14 luglio 2010

cinq heures de l'après-midi


cinq heures
de l'après midi
l'heure
de la folie
pour qui?
pour moi
pourquoi?

chi lo sa

obvio...dias de pinturas!

martedì 13 luglio 2010

sei que gostam mais de pinturas


alem do mais
porque minha cabeça està
obviamente por outros lugares
e entao sem nada para dizer:)

domenica 11 luglio 2010

le onde del mare


il mio pensiero
vaga
dentro di un lontano mare

le onde di quel bel mare
non smettono mai
di ballare
uguale
ai mei pensieri

danzare
con loro
come fare?

troppo distante
in quest'istante
eppure
mi pare
di girovagare
sulle onde azzure
di quel mare...

sabato 10 luglio 2010

luz ou sombra


a luz inicia
o seu trabalho
luta para
apagar
a sombra
sonambula

quem vencerà?

a sonambula
escuridao
ou a vastidao
lampejante
hipnotica


de uma centelha
crescente

ou...

venerdì 9 luglio 2010

infinito eterno


apenas vislumbrar
o mar



e sinto
um retorno
à casa

olhar a linha
que - nao - separa
o mar do horizonte

é o eterno infinito

giovedì 8 luglio 2010

estou na rua,,,


estou na rua
sinto cheiro
de chuva
nem deu p'ra correr
a chuva me cospe
na cara
rindo
o trovao
- ao plural-
me deixa surda
o relampago
me queima um cabelo




chego à casa
abro a bolsa
onde està a chave?

sò encontro a chuva

mercoledì 7 luglio 2010

este mundo...


Este mundo se perdiò en las encruzijadas
Anda como tuerto
Solamente mira
pero no vě
Habla pero
és un diàlogo de sordos
Oye sin escuchar
Perdiò toda identidad
Una espera combativa
una cierta dosis de fé
és lo que nos
Queda a nosostros artistas
orgullosos marginados
de la sociedad de consumo

martedì 6 luglio 2010

para onde...


para onde
se dirige
o nosso mundo

ao fundo
do fundo

brilharà
uma luz?

ninguem sabe

lunedì 5 luglio 2010

morso del tempo




il morso
del tempo
viene
d'altrove



sparpagliato
in una sorta
di vertigine
un torrente
latente

una trama
senza inizio
né fine

domenica 4 luglio 2010

nao busque, espera...


minhas ideias
voam
nadam
num espacio
vazio
buscam

tenha paciencia
se buscas
nao encontraràs

espera
um dia
aparecem

venerdì 2 luglio 2010

algo que escribi hace tiempo, y repito...


Y un dia hace mucho tiempo, en uno de mis paises –
sabes que no tengo patria ni fronteras ni edad-
tengo muchos paises sin fronteras y recorrì todas
as edades, bueno como te decìa, un dia,
una niňa, asì de chiquita, - yo – estaba en la
ventana: Era una ventana como tantas, com um balcaozinho,
pero esta fuè
la ventana de mi vida.

Una ventana muy
especial.bella.Trāgica.Enorme.Pesada.Abierta.cerra
da.opaca jamàs.Querìa salir a jugar con unos
niños en la calle. Unos niños de la calle.
Deslizar en la nieve: Luchar con las bolas de
nieve.: hacer muñecos de nieve, como ellos.
Con ellos. Proibido.
En este instante tomé conciencia de tantas cosas.
De casi todo lo esencial.
Me dì cuenta en este instante que yo estaba de este lado
de la ventana – presa – y los niños del otro lado
de la ventana, libres.
Tomé conciencia de las fronteras.
De todas. Y me negué para siempre a
ellas. Allì empezò mi huìda.
No podia atravesar la ventana pero a travès de la ventana,
si, escapé. Escapé a través de los cristales de nieve
dibujados sobre ella. Vì niños y niñas e yo
igual de livre con ellos. Vì otras calles y
jardines. Vì otros cielos de mucho sol y me escapé
en cima de un caballo negro y me encontré a un
“haiduc” y me fui con él sobre el caballo por
entre montes y valles. Y era bella, muy bella, tan
bella como mi madre pero no tan distante…indiferente.
Y mis cabellos eran largos,
largos y mis ojos eran grises y azules.
Y yà no oìa la odiosa palabra, NO.
Y atravès de la ventana me vì crecer junto
a aquellos niños que luchaban con bolas de nieve
contra el muñeco de nieve.
Y atravès de la ventana me fui con mi padre
tan bueno, y siempre tan ocupado.
Fui con èl adonde él iba.
A todos aquellos lugares de donde
regresaba con todas aquellas odiadas muñecas,
que continuaba a traerme sin darse cuenta
de como yo las pateaba…
Y atravès de la ventana para siempre escapé.
Atravès de esa ventana crecì contandome
historias.
Era mi manera de sentirme libre.
Que mas podria contar de mi infancia?
Cosas tan teribles y tan banales yà,
como sentirse judìa en uno e aquellos paìses,
descubrir que se és judio en el modo como yo lo descubrì:
de la boca de una niña igual de chiquita,
y en gran secreto, al oìdo :” no puedo jugar contigo porque ustedes son
judios “,y tu preguntas a tu amiguita
– la primera – que era esto y ella responde
“ no sé pero debe ser algo muy feo “.
Y tuvimos que huir poco tiempo después, por ser judios.
Y habìan de pasar muchos años. …escapàndome – sola – atravès
de mi ventana que jamàs me abandonò.
Hasta que un dia, en otro de mis paìses, otra niña
me cerrò la herida: “ judia? Y que tiene ? a poco
pensabas que no lo sabìamos, que tonta eres !”

Rechazo de la amistad por ignorancia a temprana
edad. Amistad sin fronteras en la adolescencia.
Desde entonces, al igual que mi ventana de la
libertad, llevo para siempre conmigo, la amistad.


"haiduc" rumeno, una mezcla de guerillero e principe

giovedì 1 luglio 2010

fragmento de un quadro com collages - 2000


vi que gostam mais
das minhas pinturas
que das minhas palavras
e tem razao...
além do mais tenho dias
com nada para dizer:)