domenica 19 aprile 2009

Otto Lara Rezende, algo sobre Vinicius de Moraes - que tive a sorte de conhecer


Homem de bem com a vida, a favor da vida. A quem a vida nada se nega a vida.
Criador de um lirismo em prosa e verso, falado e cantado, e sempre de exaltação a vida.
A canção em Vinicius nasce de um encontro não vem de um conflito.

Encontro consigo mesmo, com o outro, com sua cidade.
Com o menino livre e feliz que foi, com o tempo da infância. Fonte inesgotável quando tudo era indizívelmente bom. Menino de beira de mar, os carinhos de vento no rosto e as frescas mãos de maré nos seus dedos de água.
Encontro com o próximo, com aquele que se dá a vida. O que não se defende, o que não se fecha, o que não se recusa participar do espetáculo fascinante da grande e da pequena ventura de viver.
Encontro com os amigos, parceiros da vida em comum, amigos da arte em comum. Encontro com a mulher amada, amiga infinitamente amiga. Encontro com a mulher do povo entre moringas e cenouras emolduradas de vassouras.
Com o operário em construção, dono de uma nova dimensão, a dimensão da poesia. Encontro de sensibilidade pessoal com o sentimento popular da inspiração e da técnica pessoais com o rítmo e inspiração gerais. Encontro da mulher com o homem, do amor. Das palavras com a música, da poesia com a canção. Poesia de aliança com a vida e canção de aliança com a multidão. Voz pessoal mas compreendendo muitas vozes. Encontro com uma voz com todas as vozes.
Poeta do encontro, cantor de vida. Vinicius tomou partido do sentimento contra o ressentimento. Por isso, ele não semeia pedras com aquele que não ama, semeia canções, poesia.
Vinicius canta o povo.
O povo canta Vinicius.
A bênção, Vinicius de Moraes.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Se todos fossem iguais a você

Vai tua vida
Teu caminho é de paz e amor
A tua vida
É uma linda canção de amor
Abre teus braços e canta a última esperança


A esperança divina de amar em paz
Se todos fossem iguais a você
Que maravilha viver
Uma canção pelo ar
Uma mulher a cantar
Uma cidade a cantar
A sorrir, a cantar, a pedir
A beleza de amar
Como o sol, como a flor, como a luz
Amar sem mentir, nem sofrer

Existiria a verdade
Verdade que ninguém vê
Se todos fossem no mundo iguais a você

7 commenti:

Maguillasan ha detto...

Bela postagem,muito boa mesmo,mas com essa dupla de peso só podia dar nisso.Um abração.

Germano Xavier ha detto...

Conte-me mais sobre este o teu encontro com ele, Myra. Meu nome é curiosidade.

Abraço forte e sincero.
Continuemos...

F. Reoli ha detto...

Voz, pensamento, melodia e poesia em total sintonia... beijos

Eduardo P.L ha detto...

Também conheci o Vinícius! Uma figura!Um amigo comum patrocinou o encontro!

ellen ha detto...

Mas que dois senhores!!!!
sem palavras...

Beijinho

e você ficou muito bonita no Varal de Idéias do Edu :))) Parabéns.

Anonimo ha detto...

obrigada a vcs todos!!!

Anonimo ha detto...

Boa tarde.

Belo descriçao! É sinal de que tu conheces muiti bem o Om Jobim.
Mando o meu blog para ouvir algo que te interessa.

http://trilhadomedo.blogspot.com/

Marco de Assis