venerdì 2 luglio 2010

algo que escribi hace tiempo, y repito...


Y un dia hace mucho tiempo, en uno de mis paises –
sabes que no tengo patria ni fronteras ni edad-
tengo muchos paises sin fronteras y recorrì todas
as edades, bueno como te decìa, un dia,
una niňa, asì de chiquita, - yo – estaba en la
ventana: Era una ventana como tantas, com um balcaozinho,
pero esta fuè
la ventana de mi vida.

Una ventana muy
especial.bella.Trāgica.Enorme.Pesada.Abierta.cerra
da.opaca jamàs.Querìa salir a jugar con unos
niños en la calle. Unos niños de la calle.
Deslizar en la nieve: Luchar con las bolas de
nieve.: hacer muñecos de nieve, como ellos.
Con ellos. Proibido.
En este instante tomé conciencia de tantas cosas.
De casi todo lo esencial.
Me dì cuenta en este instante que yo estaba de este lado
de la ventana – presa – y los niños del otro lado
de la ventana, libres.
Tomé conciencia de las fronteras.
De todas. Y me negué para siempre a
ellas. Allì empezò mi huìda.
No podia atravesar la ventana pero a travès de la ventana,
si, escapé. Escapé a través de los cristales de nieve
dibujados sobre ella. Vì niños y niñas e yo
igual de livre con ellos. Vì otras calles y
jardines. Vì otros cielos de mucho sol y me escapé
en cima de un caballo negro y me encontré a un
“haiduc” y me fui con él sobre el caballo por
entre montes y valles. Y era bella, muy bella, tan
bella como mi madre pero no tan distante…indiferente.
Y mis cabellos eran largos,
largos y mis ojos eran grises y azules.
Y yà no oìa la odiosa palabra, NO.
Y atravès de la ventana me vì crecer junto
a aquellos niños que luchaban con bolas de nieve
contra el muñeco de nieve.
Y atravès de la ventana me fui con mi padre
tan bueno, y siempre tan ocupado.
Fui con èl adonde él iba.
A todos aquellos lugares de donde
regresaba con todas aquellas odiadas muñecas,
que continuaba a traerme sin darse cuenta
de como yo las pateaba…
Y atravès de la ventana para siempre escapé.
Atravès de esa ventana crecì contandome
historias.
Era mi manera de sentirme libre.
Que mas podria contar de mi infancia?
Cosas tan teribles y tan banales yà,
como sentirse judìa en uno e aquellos paìses,
descubrir que se és judio en el modo como yo lo descubrì:
de la boca de una niña igual de chiquita,
y en gran secreto, al oìdo :” no puedo jugar contigo porque ustedes son
judios “,y tu preguntas a tu amiguita
– la primera – que era esto y ella responde
“ no sé pero debe ser algo muy feo “.
Y tuvimos que huir poco tiempo después, por ser judios.
Y habìan de pasar muchos años. …escapàndome – sola – atravès
de mi ventana que jamàs me abandonò.
Hasta que un dia, en otro de mis paìses, otra niña
me cerrò la herida: “ judia? Y que tiene ? a poco
pensabas que no lo sabìamos, que tonta eres !”

Rechazo de la amistad por ignorancia a temprana
edad. Amistad sin fronteras en la adolescencia.
Desde entonces, al igual que mi ventana de la
libertad, llevo para siempre conmigo, la amistad.


"haiduc" rumeno, una mezcla de guerillero e principe

12 commenti:

Chica ha detto...

Lindo,Myra! São tantas fronteiras que querem nos impor...Lendo os fragmentos de tua vida, posso captar bem esse texto!beijos, tudo de bom,chica e uma lindo dia!

Paula Barros ha detto...

São muitas as fronteiras impostas, que temos que enfrentar ou que nós mesmos criamos durante a nossa existência. O preconceito é sempre uma das maiores fronteiras.

Você lutou, você conquistou, você venceu...entre sonhos e realidades...viveu.

beijo

TORO SALVAJE ha detto...

:)

Me encanta saber más cosas de ti.
Gracias por compartir esos recuerdos.

Besos.

Sandra ha detto...

MUITAS FRONTEIRAS. MAS NÃO NOS DIVIDEM..
Tem um carinho para vc. na CURIOSA. Um troféu ouro muito especial.
Espero que goste. É de coração que repasso esta blog muito especial


A amizade não ocupa nenhum lugar no espaço, muito menos no coração da gente.
Por issop sua amizade é muito importante.
Trófeu para todos noós que somos amigos.
Carinhosamente,
Sandra

Lili Detoni ha detto...

Te amo ainda mais, Myra, por tudo e tanto que você já viveu. O que mais impressiona é vê-la vencedora e linda em sua janela, pois é assim que meu coração te mostra. Sua amizade, mesmo tão distante (geograficamente) é tão boa, tão rica, que fico com saudades de você todos os dias. E assim, passo por aqui para deixar sempre meu abraço carinhoso, dando ao seu coração a certeza de minha amizade.Baci, bellissima!
Lili.

ma grande folle de soeur ha detto...

Quelle fabuleuse histoire et comme j'aime ce mot "haiduc" :) bises énormes

Luísa ha detto...

Invulgarmente belo! Esta dissertação traz verdade, traz sentido,traz eliminação de barreiras. Sim, eliminação para quem as consegue ver...
Adorei a reflexão em letras, a revelação emotiva.
Mil beijinhos

expressodalinha ha detto...

As frnteiras estão por todoo lado. Só há evasão no sonho.

Fernando Zanforlin ha detto...

...mantenha-se alerta, pois os ventos,os maus ventos sempre querem fechar nossas janelas, ventos que trazem fragmentos de coisas que não nos interessa.
abs.

Vivian ha detto...

...Myra querida,
o coração de amor não reconhece
fronteiras.

mil beijos e bom final de semama
por aí.

BRANCAMAR ha detto...

Myra,

estes textos são sempre tão encantadores, mesmo que forjados em lembranças de tempos difíceis e nas páginas negras de uma História ainda tão recente na Europa. Há feridas que ainda não sararam, mas tu foste sempre uma alma boa e sábia e do que retive a liberddae e a amizade são os bens mais preciosos, nisso concordo contigo. E um dos teus mais belos sentimentos, que já te tenho lido noutras ocasiões é o não teres pátria, nem fronteiras, seria tão bom que todos os homens assim pensassem, sem preconceitos de nacionalidades. Uma grande e mundial pátria comum, apenas, ainda que para efeitos administrativos se conservasse dividida en regiões, mas só mesmo por questões burocráticas e de funcionamento. Somos todos os mesmos seres humanos, com os mesmos problemas, a mesma luta pela sobrevivência, a mesma necesssidade de realização.
Bem hajas por seres quem és e pelo que nos ensinas com a tua experiência.
Beijos
Branca

in natura ha detto...

Texto lindíssimo Myra, além de artista plástica você escreve muito bem. Beijuss