sabato 19 dicembre 2009

pour mon frère



Complicité toujours souhaitée

Regrets
Très peu
Un seul
Détruire la destinée offerte par la guerre

L’enfance perdue jamais regrettée




La fuite et puis
La merveilleuse arrivée à Rio
mais sans mon frère

Complicité de la distance
Distance éperdument detestée

Je grandis

Encore et encore trop de distances d’absences
D’annéees pasées
De morts pardonnés
Regrettés

Vies sèparées
Oh!combien identiques – cependant –
L’ essentiel
Sentiments sensations émotions

Complicité autant désirée

La vieillesse nous l’à donnée
Oserais-je dire: redonnée?

Oui.
Je l’ai toujours sentie

Malgré les distances
Les absences

Et voilà!

Ce n’est point de notre temps?
Ordinateur, pixel, bytes et je ne sais plus quoi,

mais comme je l’aime ce MAIS!

Il nous donne
La complicité “ on line”.

6 commenti:

João Menéres ha detto...

Um lindo, magnífico poema.
Fez recordar-me a EDITH PIAH...

Além de Artista das ARTES, és também uma ARTISTA DAS LETRAS!
Amanhã tens aí a DOMINIQUE!
Como já vejo a ALEGRIA nos teus olhos!

Até eu me sinto feliz, podes crer.

Um beijo apertado.

Memória de Elefante ha detto...

A cumplicidade é a certeza de um sentimento que transcende o tempo.


Um beijo e ótimo sábado!

João Menéres ha detto...

PIAF, era o que eu queria dizer...

paula barros ha detto...

O tempo, as lembranças, a saudade. Esse carinho esse seu.

Myra é uma árvore de Natal no jarro?

A gente nunca sabe o rumo da vida, os caminhos que iriam ser percorridos.

abraços querida.

Maria Dias ha detto...

Adoro fotografias antigas!

Beijinhos

myra ha detto...

meus queridos amigos, obrigada pelas suas palavras, esta foto foi feita nums dias em que meu irmao veio de ferias da Inglaterra onde ele estava estudando. Voltou para la, eu fui depois, tambem, e em Setembro 1939, voltei com meus pais a Bucarest, mas depois de uns 6 meses, se me lembro bem, saimos "correndo" uma noite, com o Orient Express para Paris..començando a viagem comprida ate chegar ao Rio de Janeiro...etc, etc.