martedì 11 settembre 2012

sombras 26


11 setembro 1973
11 setembro 2001

6 commenti:

Luísa ha detto...

Espalhou-se negra na tela,
Deitou-se deliciada no branco,
E deixou marca de permanência,
Onde foi recebida com fulgor!
Registou-se negra sobre a imensidão,
Guardou o que por ela passava, entre pintas e traços de fulgor,na vontade extrema de gritar ao mundo: apaguem-se os trilhos de guerra, de sangue e dor, para que entre o tempo de viver e o de partir, exista razão suficiente de por cá andar!

Beijinhos mil e muito obrigada pela oportunidade de divagação numa sombra que me inquietou!

TORO SALVAJE ha detto...

Ya no te digo lo que veo porque pensarás que estoy loco pero es que en cada sombra veo miles de cosas.

Besos.

João Menéres ha detto...

Depois do que a LUÍSA escreveu e do que eu comentei no
VARAL DE IDÉIAS, que mais poderei dizer ?
QUE ÉS UMA GRANDE ARTISTA, já todos sabemos há muito mas admiramos a tua constante criatividade não acomodada.

Um enorme beijo.

Li Ferreira Nhan ha detto...

Myra, hoje me calo em respeito a sua obra e a tudo o que ela representa.
Um beijo querida.

ana ha detto...

Uma sombra oriental que apela ao silêncio.
Gostei muito.
Um beijinho.:)

BRANCAMAR ha detto...

Gostei muito Myra desta tua Homenagem a um 11 de Setembro que muitos já esqueceram e onde morreram muitas pessoas e tantas desapareceram durante anos às mãos da Junta Militar comandada por Pinochet, ainda bem que o lembras porque os media o têm muito esquecido.

Beijinhos.
Branca